Diocese alerta para falso Padre agindo em várias cidades da região Oeste - Jornal Potiguar

Últimas

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Diocese alerta para falso Padre agindo em várias cidades da região Oeste

Foto de divulgação

Um falso Padre, com o nome de Francisco está enganando fiéis de várias cidades da região Oeste,  foi o que alertou Padre Possídio durante a missa deste domingo.

A farsa foi descoberta pela desconfiança de alguns fieis; Francisco Rodrigues vinha se apresentando como Bispo, realizando vários batizados, pregações entre outras atribuições que segundo padre Possídio não tem nenhuma validade perante a igreja católica do Brasil.

Francisco se passando por bispo está tentando tirar proveito de pessoas simples para obter bens. Podendo ser considerado um estelionato.

O padre Américo da paroquia de Patu nos falou sobre o assunto e disse:”Já faz muito tempo que isso vem ocorrendo, sempre alertamos a diocese e nossos fiéis para esses falsos pastores”. Relatou o padre.

Autor de sermões tocantes e impecáveis, como contam vários fiéis, Francisco Rodrigues atuou na igreja de Olho D’Água do Borges e hoje em dia vive na cidade de Riacho da Cruz, por cerca de quatro anos. Realizou casamentos, batismos e missas. Ouviu confissões e deu conselhos.

Qual não foi a surpresa dos fiéis ao se depararem, hoje no final da missa com um comunicado de que Francisco Rodrigues, na verdade não é padre e não tem autorização da igreja para atuar na função de Padre.

Padre Possídio concluiu o comunicado dizendo que Francisco Rodrigues não é sacerdote, nem bispo, muito menos Padre e que não está autorizado a celebrar missas e a ministrar sacramento em nome da igreja católica.

Quem opta pela vida sacerdotal deve se entregar de corpo e alma a ela; não pode ser mais ou menos sacerdote, seria uma frustração para a pessoa e para Deus.

Francisco o falso bispo não está a trabalho da igreja católica e nem a trabalho de Deus quanto se auto denomina bispo, enganando os fiéis nas suas falsas pregações.

O jornal Folha Regional, primando pela verdade dos fatos, tentou contato com Francisco Rodrigues e não conseguiu.


Fonte: Jornal Folha Regional 

3 comentários:

  1. Quanta ignorância e falta de conhecimento de quem publicou esta pseudonotícia,não existe apenas a igreja católica romana, existem outras igrejas católicas independentes e brasileiras e reconhecidas em termos legais na constituição brasileira.

    ResponderExcluir
  2. Dom Francisco não é padre falso ! É Bispo legítimo, tem sua igreja registrada pelas leis brasileiras !
    Qual o problema? E desde quando ser padre é só da Igreja Romana?
    Sendo ele, processaria imediatamente quem está divulgando esta barbaridade !
    Mas, eu sei o que é isto !

    Padres e leigos romanos que nunca estudaram a História do Cristianismo e se acham donos dele ! Ignorantes, preconceituosos e de qualidade cristã duvidosa!

    Dom Francisco foi ordenado Bispo por Dom Emmanuel Milingo, que foi ordenado Bispo pelo Papa Paulo VI! Dom Milingo saiu da Igreja Romana, Ainda está vivo, casado e ordenou vários Bispos legítimos no Brasil e no Mundo, não para a Igreja Romana, mas para o catolicismo livre e independente, especialmente para o movimento dos padres casados !

    Saibam que sucessão apostólica ninguém tira...vamos estudar :

    "....Adolphe Tanquerey, o qual inclusive adverte que a condição de cismático ou herege do bispo ordenante não impede que este confira validamente a outrem o sacramento da ordem em quaisquer de seus graus (episcopado, presbiterado e diaconado):

    “Desde o início, apenas dos bispos, sucedendo aos Apóstolos, diz-se que administram este sacramento [da ordem] e em nenhum lugar se lê que, mesmo no tempo da perseguição - quando a necessidade requeria demandas especiais -, simples presbíteros ordenaram outros presbíteros.

    Os Padres da Igreja oferecem provas que confirmam isto; por exemplo, São Jerônimo [Epístola 146, ad Evang. P.L., XXII, 1192]: 'O que é que o bispo realiza que o presbítero não executa, com exceção da ordenação?' Os Concílios corroboram nossa visão: Niceia I, cânone 4 e Antioquia, cânone 13.

    Consequentemente, inferimos que, em razão de sua ordenação episcopal, e sem a permissão de quem quer que seja, um bispo, mesmo se for herege ou cismático, ou tenha sofrido alguma censura, tem o poder de conferir validamente todas as ordens.” 7 (tradução nossa do inglês)

    Em relação à intenção requerida do ministro celebrante, são interessantes os esclarecimentos formulados pelo teólogo alemão Ludwig Ott:

    “Qualidade da intenção:

    Com relação à faceta subjetiva, o ideal é a intenção atual, ou seja, aquela intenção da vontade que precede e acompanha toda a cerimônia; mas notemos que tal intenção não é necessária. Basta a intenção virtual, ou seja, aquela que se concebe antes da cerimônia e durante o curso desta permanece virtualmente (SANTO TOMÁS a chama intenção habitual). [...]

    Com relação à faceta objetiva, basta a intenção de fazer o que a Igreja faz. Portanto, não é necessário que o ministro tenha a intenção de buscar os efeitos do sacramento que a Igreja busca, por exemplo, a remissão dos pecados. Tampouco é necessário que tenha intenção de realizar um rito especificamente católico. Basta o propósito de realizar uma cerimônia religiosa comum entre os cristãos.” 8 (tradução nossa do espanhol)

    Ou também como define Felix Cappello, em seu conhecido Tratado Canônico- Moral dos Sacramentos:

    “para a validade do sacramento, não é necessária denominada expressa ou determinada, bastando a intenção somente genérica de minimamente fazer o que a Igreja faz, ou de fazer aquilo que Cristo instituiu, ou aquilo que fazem os cristãos”. 9 (tradução nossa do latim)

    Portanto, fica claro que a posição mais abalizada na Teologia Sacramental é a de que um bispo validamente ordenado, ainda que herege ou cismático, pode conferir válida, embora ilicitamente, o sacramento da Ordem, em seus três graus (diaconado, presbiterado e episcopado), desde que queira conferir o sacramento celebrado com a mínima intenção de realizar o que a Igreja faz, ainda que tenha uma visão distorcida sobre aquilo que a Igreja faz ao celebrar um determinado sacramento."

    " Documento de consulta sobre validade de ordenação feito por Vítor Pimentel Pereira, especialista em Direito Canônico e consultor da Arquidiocese do Rio de Janeiro !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bravo! Faço minhas suas palavras. Dom Celso. Bispo da igreja Anglicana Nacional.

      Excluir