Rio Grande do Norte perdeu mais de 2 mil empregos formais em março, mostra Caged - Jornal Potiguar

Últimas

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Rio Grande do Norte perdeu mais de 2 mil empregos formais em março, mostra Caged

Mercado de trabalho formal apresentou, em todo o país, saldo negativo de 43.196 empregos com carteira assinada em março; foram registradas 1.216.177 admissões e 1.304.373 demissões no período

Estado potiguar seguiu a tendência do País, que encerrou no mês passado 43.196 postos de trabalho com carteira assinada

O Rio Grande do Norte fechou 2.033 vagas de emprego formal em março, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta-feira, 24, pelo Ministério da Economia. O Estado seguiu a tendência do País, que encerrou no mês passado 43.196 postos de trabalho com carteira assinada.
O saldo negativo de empregos decorreu de 10.236 contratações e 12.269 demissões. As perdas foram puxadas principalmente pela agropecuária, que teve um saldo negativo de 1.593 empregos. Em seguida, os setores mais prejudicados foram construção civil (-401) e o de serviços (-59).
Com o resultado de março – que foi o pior no Rio Grande do Norte desde 2016, quando houve uma perda de 2.383 vagas –, o Estado já perdeu 5.468 postos de emprego formal em 2019. No ano todo, de acordo com o Caged, foram 34.742 contratações ante 40.210 desligamentos.
O Caged mostrou que a região Nordeste foi a que teve mais perdas de emprego em março de 2019. Nos nove estados o saldo negativo foi de 23,7 mil postos de trabalho. O único estado que teve números positivos foi a Bahia, com a geração de 2.569 vagas no mês passado. Alagoas, por sua vez, lidera o ranking de fechamento de empregos, com saldo negativo de 9.636 postos de trabalho.
Quadro nacional
O mercado de trabalho formal apresentou, em todo o país, saldo negativo de 43.196 empregos com carteira assinada em março. Foram registradas 1.216.177 admissões e 1.304.373 demissões no período.
No mês anterior, o saldo havia ficado positivo, com 173.139 admissões (1.453.284 admissões e 1.280.145 demissões). Com isso, no acumulado do bimestre (fevereiro/março), o saldo está em 129.943.
A maior perda registrada em março foi no setor de comércio, que apresentou uma diminuição de 28.803 vagas, seguido de agropecuária (-9.545), construção civil (-7.781), indústria da transformação (-3.080) e serviços industriais de utilidade pública (-662).
Três setores tiveram resultados positivos: serviços (4.572), administração pública (1.575) e extrativa mineral (528).
Os estados que apresentaram os piores resultados foram Alagoas (-9.636 vagas), São Paulo (-8.007), Rio de Janeiro (-6.986), Pernambuco (-6.286) e Ceará (-4.638).
Os que anotaram saldo positivo foram Minas Gerais (5.163), Goiás (2.712), Bahia (2.569), Rio Grande do Sul (2.439), Mato Grosso do Sul (526), Amazonas (157), Roraima (76) e Amapá (48).
O salário médio das admissões registradas em março ficou em R$ 1.571,58, valor que, se comparado ao mesmo período do ano anterior, representa perda real de R$ 8,10 (-0,51%).
Já o salário médio que era pago no momento da demissão apresenta queda maior, de R$ 29,28 na comparação com março de 2018 – valor que representa perda real de -1,69%.

Fonte: AgoraRN

Um comentário:

  1. Do you need Finance? Are you looking for Finance? Are you looking for finance to enlarge your business? We help individuals and companies to obtain finance for business expanding and to setup a new business ranging any amount. Get a finance at affordable interest rate of 3%, Do you need this finance for business and to clear your bills? Then send us an email now for more information contact us via E-mail: fastloan078@gmail.com Or WhatsApp me on +918929509036

    ResponderExcluir