Pesquisadores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (RJ) (Uerj) desenvolveram um equipamento, chamado CoronaTrap, capaz de monitorar a qualidade microbiológica do ar visando a coletar amostras do coronavírus para serem posteriormente analisadas. Segundo eles, esse estudo expõe padrões de comportamento do vírus que facilitam a elaboração de estratégias para diminuir a contaminação. A captura é feita a partir dos aerossóis presentes na atmosfera em diversos ambientes.

— A maioria do que você vê sobre a contaminação aérea é baseada em modelos matemáticos. Me propus a ir para a parte prática — contou o líder da equipe, Heitor Evangelista, do Laboratório de Radioecologia e Mudanças Globais (Laramg) do Departamento de Biofísica e Biometria da Uerj.

Segundo o professor, o aparelho consegue “aprisionar” o coronavírus numa câmara escura em condições ideais, de forma que esse monitoramento possa ser feito com certo grau de precisão.

— No começo, a gente perdia muitos dados, mas concluí que as condições tropicais de temperatura, umidade, radiação solar e níveis de ultravioleta acabavam degradando o vírus que a gente coletava — relatou.

O CoronaTrap se diferencia de seu antecessor, CoronaTrack, pois não depende mais de um portador individual em movimento, sendo agora capaz de monitorar uma área com maior abrangência, potencializando as coletas ambientais.

EXAME

Post a Comment

Facebook

header ads
header ads
header ads