Apesar do cenário de inflação generalizada, otimismo do setor cresce com expectativa de melhora no faturamento para os próximos meses


O volume de vendas no comércio brasileiro cresceu em maio pelo terceiro mês consecutivo, segundo um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgado nesta sexta-feira (27).

O resultado, considerado surpreendente pelos responsáveis pelo estudo, tem relação com a “flexibilização contínua da pandemia de Covid-19 e da recuperação do fluxo de consumidores nas lojas físicas”.

Atrelada ao crescimento das vendas no país, o estudo mostra a recuperação no otimismo dos comerciantes, com um possível cenário positivo para os próximos meses. O setor espera que a alta no faturamento se mantenha, apesar da taxa elevada de juros e da escalada inflacionária.

Em maio, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) chegou aos 120 pontos, maior patamar desde dezembro de 2021. Os três itens que mais se destacaram no indicador foram: melhora da expectativa para a economia do Brasil, bom desempenho das empresas e maior confiança do setor do comércio.

No início da pandemia de Covid-19, em maio de 2020, por exemplo, o otimismo do comércio varejista no Brasil chegou a registrar valores próximos a 65 pontos — o pior índice da série histórica, iniciada em 2010.

O indicador da CNC apresenta valores entre zero e 200 pontos. Quando aparece acima de 100, o levantamento sugere que o setor varejista está aquecido e com boas perspectivas para o futuro.

A confiança dos pequenos varejos foi o destaque positivo para o mês de maio. Segundo a pesquisa, “as empresas de pequeno porte tiveram um aumento de 32% no otimismo neste mês, comparado com o mesmo período de 2021”. O grande comércio também teve um bom resultado: um avanço de 10,2% para o período.

Para o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Pierre Souza, o resultado mostra que, atualmente, o otimismo pela manutenção da flexibilização das medidas restritivas é maior do que a preocupação com a alta dos preços. No entanto, apesar do resultado, ele garante que os empresários estão “muito preocupados” com o indicador econômico.

“O resultado mostra um otimismo geral do setor, sendo com maior destaque para as pequenas empresas, que dependem mais do fluxo orgânico de pessoas nas ruas. O otimismo com a flexibilização parece ser maior que a preocupação com inflação. No entanto, podemos afirmar que a inflação certamente está no radar dos empresários”, disse o economista.

Post a Comment

Facebook

header ads